(21)2615-6000     Segunda a Quinta das 08:00 as 18:00h, Sexta das 08:00 as 17:00h

NEGÓCIOS

97% dos empresários pretendem investir em 2019, afirma pesquisa
Expectativa de abrir novos postos de emprego soma 47%; levantamento da Deloitte ainda aponta reformas tributária e previdenciária como prioridades ao setor

De acordo com levantamento, geração de empregos, com 80% do total, é a maior preocupação do setor quando ao próximo governo

O inicio de um novo ciclo de governo gerou uma onda de otimismo aos empresários brasileiros. De acordo com a pesquisa “Expectativas do empresariado para o País e os seus negócios”, realizada pela Deloitte, 97% dos representantes do setor pretendem investir em 2019, enquanto 47% devem gerar novos postos de trabalho. O estudo foi feito com 826 empresas, com faturamento total de R$ 2,8 trilhões em 2017.

O levantamento aponta a reforma tributária, com 93% dos votos, como maior prioridade para o fortalecimento no setor. Em seguida está a reforma da Previdência (90%), reforma política (80%), revisão das leis trabalhistas (36%) e a revisão da política de preços de derivados do petróleo (14%).

Entre os investimentos previstos para 2019, 60% dos entrevistados afirmaram que pretendem lançar um novo produto e serviço. A adoção de uma nova tecnologia somou 59% do total, enquanto 49% afirmaram a manutenção dos programas de treinamento para funcionários. Apenas 3% dos entrevistados disseram que não irão fazer nenhum tipo de investimento no próximo ano.

Em relação ao fomento de emprego, 47% dos entrevistados afirmaram que pretendem aumentar o quadro de funcionários. Em seguida aparecem os que manterão o mesmo número, porém com substituições (32%), que manterão igual, sem substituições (14%) e os que pretendem reduzir vagas de trabalho (7%).

Nas obrigações do novo governo, a luta contra a corrupção, com 62%, e o ajuste fiscal, com 61%, foram apontados como maior importância aos empresários. No campo da economia, a expectativa é quanto a geração de empregos (80%), inflação abaixo de 5% (58%) e cenário com maior abertura ao comércio exterior (53%).

Fonte: Isto é Dinheiro